BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

sábado, 26 de dezembro de 2009

Dias da minha ausência


Do meu lado esteve sempre, sempre a mulher que mais gosta de mim. Chegou o momento de se inverterem os papéis.
Passado pouco mais de duas semanas no hospital, estás de novo de regresso a casa.
Quando tudo parecia mais uma vez impossível, conseguiste vencer de novo, mas o teu estado é extremamente débil. Os cuidados agora têm de ser redobrados.
Olhavas para mim com um olhar aflito e implorativo, sem te conseguires expressar ou fazer uso dos braços inertes para me afastares.
Desisti. Não consigo resistir ao teu olhar.
Eu sei que tenho de o fazer, embora te possa provocar algum desconforto... ou talvez dor. Mas ainda não arranjei coragem para tentar de novo. Tenho tanto medo de falhar...
Passei um bálsamo calmante sobre as tuas pálpebras, que já estavam fechadas, e com dor, de tanto choro, e disse-te que tudo iria correr pelo melhor.
Disse-te que contemplarias o mar daqui a mais cem séculos, quando as rosas do jardim murchassem e eu me picasse mortalmente num dos seus espinhos. Que o tempo seria multiplicado por sete e alcançarias a imortalidade.
Isso acalmou-te. Passei de novo o bálsamo nas tuas faces que se encheram de alegria.
Falei-te do mais belo que havíamos vivenciado no mundo, e que tudo o mais era sem importância.
Disse-te…
Disse-te que estarias sempre comigo, e que guardaria o teu coração num frasco de alabastro branco, como o mármore das igrejas, e que serias sempre habitante das profundezas do meu ser.
Acalmou-te.
Sei que és a pessoa com menos culpa em tudo isto.
Fizeste-me passar mais seis horas de impaciência no hospital precisamente dois anos após o teu último internamento... o teu problema agravou-se. Mãe! Já não sei que fazer. Estou cansado e impotente.
Desculpa não sei mais como agir... penso... penso mas não sei. Tu estás mal, o pai está pior e eu estou... como só Deus sabe.
Se Ele existe, compreenderá a minha revolta e desespero... ao ver-te sofrer a ti que estás doente, ao pai que enfermo está. Eu, eu sou o que menos importa.
Apesar de tudo estão vivos e eu adoro-vos. A ambos devo tudo o que sou como pessoa.

Adoro-te pai.
Amo-te mãe.


In: Ano Louco (adaptação)

12 comentários:

Ana Isabel disse...

A emoção assaltou-me e as lágrimas teimaram em rolar.

Um abraço.

Rosy disse...

Uma Boa Tarde.
Espero que o Natal tenha sido vivido com Paz e Alegria que tanto merece, voce e os seus.
Que palavras mais emocionantes...
Acredito que as sinta agora, e que seja dificil as recordar a cada momento...
A unica solução é realmente o seu Amor.. Ame-os eternamente.. e demonstre-o a cada segundo!

Uma boa continuaçao,
Beijinhos.

PS. O livro ainda não cá chegou xS

Luz disse...

Não são necessárias muitas mais palavras..., a emoção que aqui fazes sentir a quem lê transmite o que tu próprio tens sentido, voltaste a sentir e, irás sempre sentir porque este amor é único...
É sempre uma emoção quando somos capazes de ter em nós este sentir e vivê-lo em pleno. E também assim que o vivo, não sei ser de outra maneira.
Obrigada, as lágrimas de facto enchem-nos os olhos e deixamo-las cair...

E, acredita vai correr bem, tens feito o teu melhor!

Beijo de Luz

Rosy disse...

Olá uma vez mais..

Não precisa se preocupar tb, só o avisei pq podia ja ter enviado e estar a ter algum problema na chegada, so por isso msm.

E os motivos saltam á vista, e é compreensivel que precise de mais tempo pra si e para cuidar daqueles que primeiro lhe transmitiram o amor!
Embora nao tenha tido a mesma opurtunidade e de sentir o mesmo pelos meus progenitores, compreendo esse sentir.

Força e continue a amar.

Um grande beijinho desta sua amiga,
Rosy.

milhita disse...

O amor que nos gera, não é dado, não se vê, nasce de dentro, como um respirar ameno, que nos solta e embala.
Um abraço amigo

Rosy disse...

Ola, Boa Noite!

Venho aqui avisar que o livro já cá chegou.. e que gostei do texto que me dedicou!
Fiquei contente, quando, para minha surpresa fui dar uma espreitadela aos seus textos e encontro lá, os mesmo títulos, mas textos diferentes.
Os meus parabens pelo livro..
e O meu muito obrigada..

Continue a escrever..
Força.
Beijinhos..

Ps. Desejo-lhe que 2010 seja um ano de boas surpresas, e que o livro: A Filha que Nunca Tive, seja entao publicado..

Ana Isabel disse...

Apeteceu-me vir deixar um abraço solidário.

ana disse...

Tudo que somos devemo-lhes..
o nosso bem-estar depende do deles, são parte de nós*

Desejo-lhe um optimo 2010 :)
felicidade, paz e saúde,.. o trio perfeito

beij*

Carla disse...

Palavras para quê? Os meus olhos se encheram de água e choveu, choveu...
Feliz ano 2010, que a paz, a saúde, a felicidade ocupem os seus dias!

Luz disse...

Querido...,
Também tens um mimo para ti no meu animalucemia, o teu selo também tem o seu lugar aqui neste teu espaço. Assim como o desafio que lançaste, é agora lançado a ti, mas deves partilhar no teu Sonho em Mim :), como post e aqui como comentário.

Beijo no sonho de Luz

Sônia Silvino disse...

Sonhador!
Adorei esse espaço também. Estarei te seguindo nos dois blogs! E divulgando-os no The Best Blogs!
Bjkas! Bom domingo!

dida disse...

Amar em desespero, lutar contra o tempo e as adversidades transforma-nos em revoltados.
Não chega amar. Não chega cuidar. Não chega aliviar a dor.
Porque teimosa ELA está entranhada em quem sofre e em quem cuida.
É a vida! É assim!
Consegues passar a palavras a impotência a raiva a mágoa e a desilusão quando nos sentimos fracassados perante o que não conseguimos mudar - O rumo das coisas!
flordeliz/dida